Entreamores

Que vasto asfalto.
Que imensa crença.

Quando me encontrei entreamores.
Que baita virgula me tornei.

Um dia parei para virar algumas páginas e fechar algumas portas e me dei conta do quanto estou bem no meio da vida. Uma olhada por cima do ombro me mostra tanto caminho quanto a olhada pra frente.

Me tornei um 24 há pouco, e que grande lição, que grande hiato. Que grande bola de papel amassado. Cade minhas linhas azuis limpas, prontas para serem manchadas? Estão se formando.

Quando me encontrei entreamores.

E quem poderá me defender?
De tanto silêncio entre uma faixa e outra.
De tanto recesso.
De tanta tela em branco.
De tanto cursor piscante.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s