A frigideira

É possível, eu pesquisei. É cômico, trágico, é uma tragicomédia que protagonizo. Agonizo, tem dias que agonizo, num texto conciso, aviso: cansei.
Mas não canso, repenso, romance, suspense. Tão certa da gente que até me calei.

Todos os dedos, a palma das mãos, os joelhos, todos se dão com lençóis. Mas é sonho, é desejo num beijo que na composição não molha, não se atreve, não tem nada a ver com os pelos. Pelo contrário, os põe pra dormir, os endireita, em linha reta e penteados, não importa se raspados, aparados, libertos ou intocados.

Não volto a rimar tão cedo, não alitero mais nada. A frigideira não frita e “não importa”, mas minhas partes estão mortas, atrofiadas.

E não há quem tenha culpa. É só assim que é.
Pelo menos tenho dedos, alma, televisão. E já posso acordar.

Anúncios