Memórias póstumas 

Amor, não me vem com natureza morta
Ressuscita primeiro sua malandragem
Mostra que poesia não é feita de pôr do sol
E que o sol se pôs porque no entardecer da gente cê já não importa.

Fecha a porta de vez, então, vê se me erra
Deita na cama que você fez, mas não comigo, que eu não carimbei trouxa na testa.
Me resta olhar você me olhando com o olho e lambendo com a testa, imaginando um portal de viagem no tempo pro tempo em que o nosso jardim florescia todo em floresta

Mas viva o desmatamento!

Contentamento descontente não é mantimento, é como aguardente
Que desce queimando, te ilude, te da um barato
Te prende, te rende, só que dessa vez eu conheço um pulo do gato

Só um corpinho as mina não quer, amor

Anúncios